João Pessoa

Homem pagou R$ 4 mil para executar atual namorado de sua ex

O suspeito de ser o mandante da morte de um homem no bairro de Mangabeira, em João Pessoa, na quarta-feira (20) foi preso na noite do mesmo dia do crime e, segundo a Polícia Civil, confessou que pagou R$ 4 mil pela execução. Os dois suspeitos de executar Eduardo Dantas Pereira foram presos cerca de meia hora depois do crime.


O crime aconteceu nas imediações do Fórum Cível de Mangabeira, na avenida Hilton Souto Maior e foi flagrado por policiais militares, que iniciaram uma perseguição e conseguiram prender a dupla suspeita de ser a executora.


O delegado Pedro Ivo Soares, da delegacia de Homicídios, explicou que o terceiro preso havia contratado a dupla presa por R$ 4 mil para executar Eduardo Dantas. “O pagamento foi acertado para que eles executassem a vítima quando ela descesse do ônibus, no ponto de ônibus próximo ao trabalho”, explicou.


Ainda de acordo com o delegado, o mandante não aceitava o término do relacionamento com o ex-namorada, que atualmente mantinha um relacionamento com a vítima, Eduardo Dantas Pereira. O crime foi combinado na noite de terça-feira (19), no distrito de Várzea Nova, em Santa Rita, cidade da Grande João Pessoa.


O terceiro preso e suposto mandante do crime foi encaminhado para Central de Polícia, no bairro do Geisel, onde seguia preso até a manhã desta quinta-feira (21).


Ele deve ser ouvido e ficar à espera da audiência de custódia. A Polícia Civil chegou ao terceiro suspeito após os dois executores do crime confessarem que tinham sido contratados para praticarem o homicídio.


O crime foi registrado na manhã de quarta-feira (20). Segundo a polícia, os dois homens, que estavam em uma moto, se aproximaram e atiraram na cabeça da vítima. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou a ser acionado, mas o homem não resistiu e morreu no local.


Aproximadamente 30 minutos depois do crime, a PM localizou os dois suspeitos em um matagal nas imediações da avenida onde Eduardo Dantas Pereira foi morto. Um major da PM viu o momento do crime e iniciou uma perseguição aos suspeitos, solicitando reforço em seguida e conseguindo localizar e prender os dois suspeitos.